Até quando seremos broxas?

Padrão

Quando a gente deixa, a gente acaba deixando a deixa pra que aquele amor que se foi, volte. A gente acaba permitindo, de certa forma, que ironicamente aquela criança no cesto deixada na casa de outrem, grite nosso nome. A gente não espera ela se desenvolver, a gente não espera que a criança cresça, tome suas rédeas e saia. A gente lida com o amor imaturamente. 

 É triste, porque sabemos que o futuro incerto geralmente será o mesmo daqueles que se desesperam diante dos impropérios: jogar-se de um andar de dois dígitos. Do alto do meu quarto andar, limito-me a olhar os aviões passarem acima da minha cabeça como grandes pássaros. Olho, curioso como um menino, pra dentro das janelas que estão há metros de distância. Vã tentativa de descobrir um crime. Um criminoso atrás de pistas.

 Deixando a criança chamada amor nas portas de quem realmente possa criá-lo, nós permitimos que nossos sonhos pulem dos mais altos andares. É cruel saber que somos insuficientes em nós mesmos para lidar com sentimentos que, vez ou outra, foram criados por nós. Estão ali porque nós, diante de um momento impensado, cometemos o ato desprotegido de olhar no olho. De respirar em sintonia ainda que mesas de distância. De gaguejar ao dar um ‘oi’ e um ‘adeus’. E é a partir daí que nós, tolos, criamos um mundo que não existe.

 E a deixa é a volta. A volta daquele que deixamos achando ser, enfim, liberdade para não ter de lidar novamente, com o mesmo amor, com o mesmo sentimento, com a mesma dor. A gente deixa a deixa para o regresso, sabendo que estamos permitindo o mesmo, mas ainda com aquela esperança dos que amam de que ‘tudo vai se resolver’, de que ‘vai ser meu amor’, de que ‘a hora vai chegar’. E meus caros, é triste dizer isso em meio a apuros, mas assim como o amor, essa esperança não nos cabe. Assim como o abraço, que parece de longe ser gostoso, ela não nos é cabível nesta vida. Porque a esperança, também cruel, cria espaço para novos conflitos e guerras nesse campo sentimental. 

 É dor. E continuará doendo, e continuaremos amando, e continuaremos sofrendo, até o dia em que formos realmente fortes, em que formos recíprocos em nós mesmos e suficientes para puxar pelos cabelos o sentimento que tenta se jogar do alto. 

 Até quando abandonaremos nosso amor na porta dos outros? Até quando permitiremos que ele se crie para o suicídio?

Até quando seremos broxas?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s