Inferno de dantes.

Padrão

Voa amor, voa diamante, voa meu inferno de dantes, voa e por favor…não volta.

Sou forte, sou fraco. Que nau se guiaria nesta luz tímida que ilumina a infinitude desse mar? Ah, por quanto lhe evitei, não lhe quis, rebati em tantas paredes palavras duras. Não. Não. Não.

E numa dada circunstância, em questão de segundos você veio e tornou-se novamente um sim. Não um sim tão certo quanto o escrito, não um sim que afirma e não exige justificativa, mas um sim que sugere diretamente um ‘e se?’ ou então ‘porque não eu?’. Perguntas dos tolos.

Porque eu não posso ser tão grande quanto você? Meu bem, responda-me, porque não pode ser eu? Não há sequer doença contagiosa e minhas mãos são tão boas quanto as suas, entrelace-nos sem dó. Aperta minha mão e diz que me ama e eu num olhar lhe respondo sem a menor distorção do sim. Não sejamos fracos de alma, o poder não é tudo, o status cai e o dinheiro não compra momentos, compra coisas. E de que coisas eu precisaria caso lhe tivesse?

Olhe pra mim, às margens de sua vida querendo viver a minha. Olhe pra mim procurando seguir seu caminho nas vicinais apertadas. Porque querer-te tanto e tão feliz? Não há suficiente suporte em mim, cheio de apuros, cheio de perguntas, cheio de temores, como poderia eu ser o pedestal de tua alma? Ah meu amor, eu nunca lhe esqueci, perdoa as palavras, perdoa o olhar perdido no tempo. Aquela noite nunca mais voltará e ambos temos que seguir uma vida tal qual pássaros, mas voamos por rotas equidistantes e só eu quero lhe encontrar.

Que seja nos próximos outonos, que seja nessa vida, que eu possa lhe dizer como lhe amo, ou amei, o quão crua é essa minha carne e que sou tão humano quanto você, que aqui corre o desejo visceral de ter você dentro deste cômodo. Corre nesta carne que ainda não é putrefata todo o sentimento do amásio, do cavaleiro que constrói fortalezas e desmorona seus próprios castelos com o intuito de fazer outros sempre melhores. Tenho conseguido tanto?

Ah meu amor, meu veneno, tão podre quanto eu, tão carne quanto o mundo todo…continue ostentando seu posto de diamante, continue andando sobre ouro e sendo desejo de todo olhar, continue andando na pista principal sem olhar pras vicinais.

Voa amor, voa diamante, voa meu inferno de dantes, voa e por favor…não volta.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s